Teorias modernas sobre a origem da vida
  • EVOLUÇÃO QUÍMICA

Trabalhando independentemente, o cientista russo Aleksander I. Oparin (1894-1980) e o cientista inglês John Burdon S. Haldane (1892 – 1964) propuseram na década de 1920, hipóteses semelhantes sobre como a vida teria se originado na Terra. Apesar de existirem pequenas diferenças entre as hipóteses desses cientistas, basicamente eles propuseram que os primeiros seres vivos surgiram a partir de moléculas orgânicas que teriam se formado na atmosfera primitiva e depois nos oceanos, a partir de substâncias inorgânicas.

John B. S. Haldane (1892 – 1964)

John B. S. Haldane (1892 – 1964)

Vamos, de modo simplificado, apresentar uma síntese de dessas idéias: as condições da Terra antes do surgimento dos primeiros seres vivos eram muito diferentes das atuais. As erupções vulcânicas eram muito freqüentes, liberando grande quantidade de gases e de partículas para a atmosfera.

Esses gases e partículas ficaram retidos por ação da força da gravidade e passaram a compor a atmosfera primitiva. Embora não exista um consenso sobre a composição da atmosfera primitiva, foi proposto no início que, provavelmente, era formada por metano (CH4), amônia (NH3), gás hidrogênio (H2) e vapor d’água (H2O). Não havia gás oxigênio (O2) ou ele estava presente em baixíssima concentração; por isso se fala em ambiente redutor, isto é, não oxidante. Nessa época, a Terra estava passando por um processo de resfriamento, que permitiu o acúmulo de água nas depressões da sua costa, formando os mares primitivos.

Aleksander I. Oparin (1894-1980)

Aleksander I. Oparin (1894-1980)

As descargas elétricas e as radiações eram intensas e teriam fornecido energia para que algumas moléculas presentes na atmosfera se unissem, dando origem a moléculas maiores e mais complexas: as primeiras moléculas orgânicas. É importante lembrar que na atmosfera daquela época, diferentemente do que ocorre hoje, não havia o escudo de ozônio (O3) contra as radiações, especialmente a ultravioleta, que, assim, atingiam a Terra com grande intensidade.
As moléculas orgânicas formadas eram arrastadas pelas águas das chuvas e passavam a se acumular nos mares primitivos, que eram quentes e rasos. Esse processo, repetindo-se ao longo de muitos anos, teria transformado os mares primitivos em verdadeiras “sopas nutritivas”, ricas em matéria orgânica. Essas moléculas orgânicas poderia ter-se agregado, formando coacervados, nome derivado do latimcoacervare, que significa formar grupos. No caso, o sentido de coacervados é o de conjunto de moléculas orgânicas reunidas em grupos envoltos por moléculas de água.
Esses coacervados não eram seres vivos, mas uma primitiva organização das substâncias orgânicas em um sistema semi-isolado do meio, podendo trocar substâncias com o meio externo e havendo possibilidade de ocorrerem inúmeras reações químicas em seu interior.

Coacervado é um aglomerado de moléculas proteicas envolvidas por moléculas de água, em sua forma mais complexa

Coacervado é um aglomerado de moléculas proteicas envolvidas por moléculas de água, em sua forma mais complexa

Não se sabe como a primeira célula surgiu, mas pode-se supor que, se foi possível o surgimento de um sistema organizado como os coacervados, podem ter surgido sistemas equivalentes, envoltos por uma membrana formada por lipídios e proteínas e contendo em seu interior a molécula de ácido nucléico. Com a presença do ácido nucléico, essas formas teriam adquirido a capacidade de reprodução e regulação das reações internas.

Nesse momento teriam surgido os primeiros seres vivos que, apesar de muito primitivos, eram capazes de se reproduzir, dando origem a outros seres semelhantes a eles.

Em 1950, dois pesquisadores da Universidade de Chicago, Stanley MillerHarold Urey, desenvolveram um aparelho em que simularam as condições supostas para a Terra primitiva.

Com sucesso, obtiveram resultados que confirmaram a hipótese de Oparin.

Inicialmente, obtiveram com o seu experimento pequenas moléculas que, com o passar do tempo, se combinaram formando moléculas mais complexas, inclusive os aminoácidos glicina e alanina. Posteriormente, novas pesquisas obtiveram outros aminoácidos e vários compostos de carbono.

Os protobiontes de Oparin receberam diferentes nomes dados pelos cientistas, dependendo de seu conteúdo: microsferas, protocélulas, micelas, lipossomos e coacervados. Estes possuem uma “membrana” dupla, formada por duas camadas lipídicas, à semelhança das membranas celulares.

Veja na imagem abaixo uma representação do que seria a Terra em tempos primitivos:

  • PANSPERMIA

Para completar a teoria de 1920 de Aleksander I. Oparin (1894-1980) e do cientista inglês John Burdon S. Haldane (1892 – 1964) sobre a origem dos primeiros seres vivos, o pesquisador japonês Yoshihiro Furukawa propôs que os impactos de meteoritos nos oceanos primitivos da Terra podem também ter sido os causadores da formação de complexas moléculas orgânicas, que mais tarde originaram a vida.

Diferente da teoria da panspermia cósmica, que sugere que o aparecimento dos primeiros seres vivos na Terra veio dos cosmozoários, que seriam microrganismos flutuantes no espaço cósmico, Yoshihiro e sua equipe explicam, no artigo publicado em dezembro de 2008 pela revista científica britânica Nature Geoscience, que os impactos desses corpos sobre os mares primitivos, muito frequentes na época, podem ter gerado alguma das complexas moléculas orgânicas necessárias para a vida.

Embora muitos dos elementos necessários como pontos de partida para a existência de vida estarem presentes na Terra, sabe-se pouco sobre como se organizaram nos chamados blocos de construção da vida. Para tentar completar os estudos nessa área os pesquisadores utilizaram um simulador do impacto de um meteorito de ferro e carbono em uma mistura de água e amoníaco que imitava a química dos oceanos primitivos.

O meteorito se que se chocou a uma velocidade de 2 km/s, causou pressão e temperatura que excedeu 2.760 graus Celsius.

Depois do impacto, a equipe encontrou no fluido uma mistura de moléculas orgânicas, incluindo um aminoácido simples e ácido graxos.

A partir desse ponto, os cientistas concluem que os impactos de meteoritos nas massas de água da Terra primitiva podem ter contribuído para a criação de moléculas orgânicas complexas que formaram as bases da vida.

Tags:, , , , , , , , , , , ,

7 Comentários Quero comentar!

  • Muito obrigado , ajudou muito no meu trabalho , minha sala toda pesquisou aki .

    Comentário de Kau_Galo em 2 de maio de 2011 às 18:56

  • esse trabalho e bom mais falta mais imagens e falar um pouco do mundo rna

    Comentário de andrielle e silmara em 5 de maio de 2011 às 16:31

  • esse trabalho e bom mais falta mais imagens e falar um pouco do mundo rna mais ajudou

    Comentário de andrielle e silmara em 5 de maio de 2011 às 16:31

  • obrigado por essa pesquisa e é muito interesante

    Comentário de thabata em 23 de maio de 2011 às 21:02

  • ADOREI,MAIS VAMOS DAR UMA ATUALIZAÇÃO,POR QUE O MUNDO MUDA A CADA ANO!!

    Comentário de ANDERSON LIRA DOS SANTOS em 24 de novembro de 2011 às 9:59

  • Já está muito bom, mas se acrescentar um esquema da experiência de Miller, ficaria perfeito!!!!!!!

    Comentário de ^^ em 30 de dezembro de 2011 às 11:17

  • gostei da pesquisa me ajudo muito no meu trabalho do colégio a galera toda pesquiso aqui!!!!

    Comentário de francine andrade em 24 de julho de 2012 às 20:00

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URL

Deixe um comentário

Dados do Autor

Portal Biologando

Portal de notícias e matérias sobre Biologia

EMAIL SITE /BLOG

Dados desta matéria

Publicidade

Moda & Shopping

Viagem & Lazer

Shopping